18 | 08 | 2017

Histórico

O Edifício Louvre está localizado no mais antigo trecho de importância cultural do centro paulistano, este projeto, oriundo da empresa Monções Construtora e Imobiliária S.A., entra para o currículo de Artacho Jurado, seu projetista, que não fora arquiteto devido a questões filosóficas familiares (seu pai anarquista, não permitira que os filhos jurassem a bandeira na escola), como o último e maior de todos os prédios projetados por ele e que ainda lhe deu projeção, atendendo ao projeto de alargamento da avenida, de 1942, elaborado na primeira gestão de Prestes Maia, visando à melhoria da circulação de veículos no centro, a partir do loteamento da chácara do Senador Sousa Queiroz.

A tipologia baseia-se em planta recorrente com apartamentos de tamanhos diversos. O projeto é complexo e diversificado, mesclando unidades habitacionais com comércio, estando as áreas residenciais em quatro blocos, cujos nomes são “Da Vinci”, “Rembrandt”, “Renoir” e “Velásquez”, totalizando então 320 apartamentos e 45 lojas e sobrelojas. Durante a construção que se prolongou até 1966, em razão da necessidade de maior número de vagas de garagem, houve adaptação para transformação da parte correspondente aos primeiros pavimentos, até o quinto andar, do bloco dos fundos, em garagem com boxes individualizados para condôminos.

Após as adaptações a obra foi concluída com vinte e cinco andares, sendo quatro de garagens, lojas e sobrelojas com agências de turismo, banco, cartório, corretoras de câmbio, instituto de psicologia, cabeleireiros, imobiliárias, livraria, agência de emprego, ótica, gráfica expressa e financeira.